Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Terceira Turma reconhece estabilidade à gestante em contrato de aprendizagem 

A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-18), em decisão unânime, reformou sentença de primeiro grau para reconhecer o direito da empregada submetida a contrato de aprendizagem à estabilidade gestacional. O colegiado entendeu que a trabalhadora gestante tem direito à estabilidade, ainda que se trate de contrato de aprendizagem, por estar abarcada pelo entendimento da Súmula 244 do Tribunal Superior do Trabalho.

Entenda o caso

A funcionária ingressou na Justiça do Trabalho pedindo o reconhecimento da estabilidade provisória por ter sido dispensada enquanto estava grávida. Alegou, na inicial, que informou à empresa, no momento da dispensa, que estava grávida mas nenhuma providência foi tomada.

Na defesa, a empregadora disse que o contrato da trabalhadora é de aprendizagem, regulado pelo Manual de Aprendizagem do Menor Aprendiz do Ministério do Trabalho e Emprego, razão pela qual a funcionária não tem direito à estabilidade provisória.

O juízo da 16ª Vara do Trabalho de Goiânia reconheceu a validade da extinção do contrato de trabalho da trabalhadora e julgou improcedente o pedido de reconhecimento de estabilidade provisória e indenização substitutiva.

Informada com a sentença, a funcionária recorreu ao TRT-18 pedindo a reforma da decisão.

O recurso foi analisado pela Terceira Turma do TRT-18. A relatora, desembargadora Rosa Nair Reis, entendeu que apesar de existirem julgamentos de turma do Tribunal Superior do Trabalho em sentido diverso, a jurisprudência majoritária do TST é no sentido de que a empregada gestante tem direito à estabilidade provisória, ainda que se trate de contrato de aprendizagem, e está abarcada pelo entendimento da Súmula 244 do TST. Foram citados vários precedentes.

A desembargadora acrescentou que a Súmula 244 do Tribunal Superior do Trabalho dispõe que “A empregada gestante tem direito à estabilidade provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea ‘b’, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado”.

Prevaleceu no julgado o entendimento de que a jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho evoluiu no sentido de reconhecer o direito à estabilidade provisória à empregada gestante submetida a contrato de trabalho por tempo determinado, gênero do qual é espécie o contrato de aprendizagem.

A relatora ressaltou, por fim, que ficou comprovado que a concepção ocorreu durante o vínculo empregatício.

Desse modo, a Terceira Turma reconheceu o direito da empregada submetida a contrato de aprendizagem à estabilidade gestacional até 5 meses após a data do parto.

Processo 0010122-66.2021.5.18.0016

 

01/08/2022 - TRT Goiás  
 

Comerciário Tem Direito A Votar Nesta Eleição 2022
29/09/2022
SECEG ESCLARECE OS FATOS AOS COMERCIÁRIOS E POPULAÇÃO
28/09/2022
NOVO ACORDO TRAZ BENEFÍCIOS PARA TRABALHADORES DA P&P
27/09/2022  - SEAAC de Americana e Região
Aviso prévio: o que é, quem tem direito e quando o trabalhador tem de cumprir
21/09/2022  - CUT
ATENDENTE TRATADA AOS GRITOS POR GERENTE RECEBERÁ INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS
21/09/2022  - TRT1
Salário mínimo 2023 com nova previsão 
19/09/2022  - Edital Concursos
STF forma maioria para suspender piso da enfermagem e governo analisa impactos
19/09/2022  - O Popular
TNG aprova plano de recuperação judicial e evita despejo de shoppings
13/09/2022  - Estadão
Cuidado com a Baixa Umidade
12/09/2022  - SECEG
Usuários aprovam 5G em Goiás, mas sinal ainda é para poucos
12/09/2022  - O Popular
 
 
 
 
SECI - Sind dos Empregados no Comércio e nas Cooperativas em Geral de Itumbiara
Rua Olívia Fagundes Garcia, 6, Bairro Paranaíba - CEP 75503-040 - Itumbiara - GO
Telefones: (64) 3431-5488