Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Americanas é a verdadeira missão impossível de Sergio Rial 

O tema de “Missão Impossível” embalou no final de 2017 uma performance apoteótica de Sergio Rial, advogado e especialista em economia que naquele ano presidia o Santander Brasil, e desceu de rapel até o palco montado no Allianz Parque, em São Paulo, sob aplausos de uma arena lotada de funcionários do banco. A instituição estava prestes a comemorar a marca inédita de R$ 10 bilhões de lucro anual.

Mas o título do filme de ação nunca esteve tão apropriado quanto nesta fase da carreira do executivo, que acaba de renunciar à presidência da Americanas S.A e informar ao mercado outro número inédito, em relação ao qual não há o que celebrar: um rombo contábil de R$ 20 bilhões no balanço da Americanas.

Ser porta-voz de tal escândalo não é tarefa trivial, mas a missão impossível ainda está em curso. Ao mesmo tempo em que anunciou a sua saída do comando da companhia, o ex-banqueiro se apresentou como assessor dos “acionistas de referência” da Americanas -leia-se os fundadores do 3G Capital, o trio de bilionários Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira.

Sua missão, como diria depois em vídeo gravado para investidores, seria apoiar “a condução dos trabalhos” em busca de uma “solução estruturada para a empresa”, que nesta sexta (13) obteve na Justiça uma proteção emergencial contra cobranças.

“A pergunta que fica é… Será que Rial já sabia?”, questiona o investidor Pedro Menin, sócio-fundador da Quantzed e da QTZ Investimentos, em publicação em rede social na qual levanta várias dúvidas sobre o escândalo contábil.

Segundo fontes ouvidas pela reportagem, há poucas dúvidas de que Sergio Rial foi escolhido a dedo para a tarefa espinhosa de apagar um incêndio nas Americanas, que já dava sinais de fumaça pelo menos desde o ano passado, quando o carioca de 62 anos foi festejado como novo presidente da companhia.

Na opinião de André Pimentel, sócio da consultoria Performa Partners, a contratação de Rial, um “banqueiro” e não um “varejista”, já indica uma estratégia da Americanas para lidar com uma situação de crise, incluindo a comunicação com o mercado e a falta de credibilidade que a companhia deve enfrentar a partir de agora.

“Se a crise de credibilidade crescer exponencialmente e impactar fornecedores (que ficariam reticentes em continuar vendendo à Americanas) e, pior, atingir os consumidores, que poderiam ficar receosos em comprar e não receber os produtos, aí a crise seria total”, diz Pimentel, que trabalhou na reestruturação da Americanas no fim dos anos 1990, quando estava na Galeazzi & Associados e, antes disso, atuou na PwC, atual auditoria da Americanas.

A sócia de uma consultoria em carreiras, ouvida pela reportagem em condição de anonimato, afirma que executivos do porte de Rial não aceitam o convite para comandar uma companhia sem saber exatamente onde estão pisando.

Descobrir em nove dias um escândalo contábil dessa magnitude, que se arrasta há pelo menos sete anos, é pouco crível, opina ela.

A contratação do presidente de uma grande empresa costuma envolver uma transição lenta e cuidadosa, afirma. Em se tratando de alguém muito experiente como Rial, do mercado financeiro, diz, é natural que ele queira se inteirar dos números antes de fazer qualquer movimento -o que inclui saber o que acontece com as ações.

A especialista lembra que executivos da Americanas venderam quase R$ 212 milhões em ações da companhia durante o segundo semestre do ano passado, conforme informações ao mercado da própria Americanas, que vieram a público após o escândalo.

‘SE ACREDITA TANTO NA EMPRESA, POR QUE PEDIU DEMISSÃO?’

Segundo ela, executivos do alto escalão se preparam muito antes de tomarem a decisão de assumir um novo cargo e se informam sobre os “liabilities” (responsabilidades civis do cargo).

Isso porque a legislação brasileira estabelece que os executivos são pessoalmente responsáveis pelos atos e omissões relacionados à gestão da companhia, podendo vir a responder com seu próprio patrimônio.

Talvez este seja o motivo para que Sergio Rial, caso conhecesse o escândalo contábil da Americanas, tenha topado assumir a empresa, mas não permanecer na cadeira de presidente.

A sócia de uma consultoria em gestão, com larga experiência no varejo, diz achar “óbvio” que Rial foi chamado para assumir o cargo já inteirado dos problemas no balanço.

Para ela, é muito provável que Rial seja o responsável por fazer toda a reestruturação da dívida, que a empresa diz agora poder chegar a R$ 40 bilhões, caso os credores antecipem as cobranças.

Ao mesmo tempo, lembra uma fonte do setor de varejo, executivos de sucesso podem gostar de assumir desafios capazes de deixar o currículo mais estrelado. Mas isso não inclui ver uma das maiores varejistas do país quebrar na sua mão.

Em apresentação a investidores na sede do BTG, no último dia 12 (data em que também gravou vídeo para comentar sua saída da presidência), Rial disse algumas vezes que não tinha “a obrigação legal” de estar ali fazendo os esclarecimentos. No vídeo, ele mesmo repete a pergunta que lhe é feita com frequência:

“Poxa, Sergio, se você acredita na empresa, então por que você decidiu pedir demissão?”

E dá a resposta: “Acho que o tamanho do que precisa ser feito não era necessariamente o que eu queria em um primeiro momento, que era ir para a Americanas e enveredar por um projeto muito grande de crescimento”, respondeu.

“Obviamente, nos próximos trimestres, vamos continuar vendendo, continuar fazendo o que precisa ser feito, mas muito tem que acontecer em relação à estrutura patrimonial.”

O escândalo contábil relacionado à operação de “adiantamento a fornecedores” deve gerar acertos nos balanços dos últimos anos, como já observou o próprio Rial. Segundo consultores ouvidos pela reportagem, o ajustes tendem a vir na última linha dos balanços, os resultados.

A consultora em carreiras ouvida pela reportagem questiona onde estão o presidente e o diretor de relações com investidores da empresa que ocupavam essas posições antes da posse de Rial, que ainda não vieram a púbico se pronunciar. Ambas as funções eram exercidas até 31 de dezembro de 2022 por Miguel Gutierrez, que comandou a Americanas pelos últimos 20 anos.

EMPRESA CONSEGUIU IMPEDIR BTG DE COBRAR DÍVIDA NA JUSTIÇA

Nesta sexta-feira (13), Rial teve negociações duras com bancos credores da Americanas que, segundo apurou a reportagem, estavam indignados com a falta de disposição dos principais acionistas da varejista em anunciar uma capitalização robusta na empresa.

O BTG Pactual trouxe Rial para prestar esclarecimentos a investidores na sede do banco na quinta (12), em um evento inicialmente privado e muito concorrido. Na sexta, tentou antecipar R$ 1,9 bilhão a receber da companhia, precipitando o pedido de proteção da Americanas.

A varejista mais do que depressa sacou o recurso que tinha à mão: entrou na noite da sexta (13) com pedido de tutela de urgência cautelar junto à 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro. Com isso, a empresa consegue impedir que seus ativos sejam bloqueados a pedido de credores.

Na prática, a medida concede à Americanas um respiro para estudar um pedido de recuperação judicial, iniciativa que pode ser tomada dentro de 30 dias, de acordo com a decisão da Justiça.

A empresa afirma, porém, que “continua empenhada em manter conversas positivas com seus credores visando ao atingimento de um acordo que seja benéfico a todos os seus stakeholders”, e que “a tutela de urgência não representa um procedimento de recuperação.”

No momento, os ânimos entre Americanas e credores estão muito acirrados. “Um dos grandes riscos é a interrupção da linha de financiamento a fornecedores, provida hoje pelos bancos. Espero que os bancos tenham uma postura de equilíbrio e permitam à gestão atual encontrar um caminho que funcione para todos. Apesar do primeiro choque de desagrado”, disse Rial, no vídeo destinado a investidores.

“Peço paciência.”

Para analistas ouvidos pela reportagem, os acionistas de referência da Americanas, o trio à frente do 3G Capital, acreditavam que, se o pedido de paciência viesse de um banqueiro, os credores teriam mais boa vontade em atender.

Os atos mais recentes da crise ainda não permitem dizer se eles estavam certos.

 

16/01/2023 - Folha de São Paulo  
 

Americanas promete não demitir em massa até apresentar plano de recuperação à Justiça
07/02/2023  - O Popular
Sindicatos perdem 90% da contribuição sindical no 1º ano após reforma
06/02/2023  - Uol e Estadão
STF define que licença-maternidade começa a partir da alta hospitalar
02/02/2023  - STF
Central sindical fará manifestações para cobrar Americanas sobre trabalhadores
26/01/2023  - Uol
Vendas on-line elevam em 75% faturamento
19/01/2023  - O Popular
Presidente Lula determina elaboração de proposta para valorização do salário mínimo
19/01/2023  - Governo Federal
Americanas é a verdadeira missão impossível de Sergio Rial
16/01/2023  - Folha de São Paulo
Reajuste do salário mínimo para R$ 1.320 pode não acontecer em nome da responsabilidade fiscal
12/01/2023  - Infomoney
Eleição no Sincojat elege Nivaldo Ferreira
11/01/2023
SECEG continua tentando fechar CCT com Sindilojas
05/01/2023  - O Popular
 
 
 
 
SECI - Sind dos Empregados no Comércio e nas Cooperativas em Geral de Itumbiara
Rua Olívia Fagundes Garcia, 6, Bairro Paranaíba - CEP 75503-040 - Itumbiara - GO
Telefones: (64) 3431-5488